POESIA PARA MUDAR O MUNDO - 2015 - BLOCOS ONLINE
Marcelo Mourão

MARCELO MOURÃO - É professor de História e de Língua portuguesa e Literatura. Pós-graduado em Literaturas de Língua Portuguesa. É também escritor, crítico literário e produtor cultural. Nasceu no bairro do Engenho de Dentro, subúrbio do Rio de Janeiro, e começou a fazer poesia em 1989. Atuou como vocalista e letrista da banda de rock Atos de Loucura, durante a década de 90, em pleno movimento Rock Brasil (BRock). Desde 2007 é militante ativo no movimento artístico e poético carioca. Participa de vários eventos, shows, antologias e agitos literários na Internet. Foi um dos idealizadores e apresentadores do sarau POLEM (Poesia no Leme), de 2008 até 2011. Em dezembro de 2009, lançou seu primeiro livro solo de poesia, "O diário do camaleão". Seu segundo de poemas, "Máquina mundi", será lançado em dezembro de 2015. Tem um romance inédito e outro em elaboração.
reicamaleao@bol.com.br

O OLHO DE FERRO

para Michel Foucault e George Orwell

Feito um farol, porém desprovido de lume e soturno,
segue o olho da máquina sem piscar nem um segundo.
O olho me olha e olha tudo mais à sua volta
sempre com um olhar de pergunta, nunca de resposta.

Feito um deus que tudo escuta, tudo sabe e tudo vê,
segue o olho mecânico a nos enquadrar numa TV.
Esse mesmo olho oco, que escaneia corpos e rostos,
jamais irá hackear o que há na alma do seu oposto.

Feito um cão de guarda ou um juiz furioso e sem dó,
segue o olho de ferro a vigiar tudo ao seu redor,
numa fome de fera que tudo decifra e devora.

E, assim, olhos espreitam, surgem, dão botes feito cobras.
E, assim, mil olhos vão se clonando e, quanto mais, melhor.
E assim caminha a humanidade: acompanhada e só.

EGOTRIP

Mergulho fundo nas profundezas minhas.
Vasculho os cantos desse meu mundo oculto.
Sonho, enfim, encontrar as partes perdidas:
peças partidas num vasto quarto escuro.

Mergulho desnudo e busco minha flor
que na redoma sempre se protegeu.
Rosa fechada, nela o que fui e sou:
mutante constante me mantendo meu.

Mergulho com tudo na minha fumaça,
não quero dissipá-la, só digeri-la:
quem sabe esta mesma noite ainda traga
muito mais tesouros do que eu imagino?

Marcelo Mourão
Capa
Créditos